Telas e Psicanálise: Uma narrativa coerente?